MARKETING DE CONTEÚDO APLICADO PARA VÍDEOS

Agora a gente vai falar sobre inbound marketing e marketing de conteúdo voltado para vídeo. A primeira coisa que você precisa saber desse assunto é: o que é o marketing de conteúdo? Marketing de conteúdo nada mais é do que você conseguir criar um público, uma audiência, uma galera pra te escutar, escutar o seu conteúdo, ao ponto de você conseguir vender alguma coisa, um serviço, um produto ou gerar algum tipo de negociação em cima daquela interação.

Você pode criar marketing de conteúdo de inúmeras formas: através de blogs, sites, vídeos, artigos, e-books, e-mails, de inúmeras maneiras na internet. Um exemplo de marketing de conteúdo é o famoso e-book, que é quando você cai em uma propaganda na qual uma pessoa te oferece um e-book de graça. Você baixa esse e-book e dentro dele tem várias dicas sobre conteúdo de marketing.

Dentro desse conteúdo sempre tem uma coisinha assim: “eu não vou te falar isso aqui, mas falo no meu curso pago, que você pode baixar nesse link”. Aí você clica, cai na página do curso da pessoa e termina comprando. Conclusão: a pessoa usou o conteúdo para te atrair e a partir dele você voltou e gerou interesse pelo produto dela. Esse é o marketing de conteúdo.


Dentro das categorias do marketing de conteúdo a gente encontra uma forma que está sendo muito usada hoje em dia, que é o vídeo. O vídeo tem alguns pontos fortes e outros fracos. O ponto forte do vídeo é que ele tem um alto poder de persuasão, que também pode mexer com o sentimento das pessoas e até mesmo com a interação, por exemplo quando a pessoa clica no seu vídeo do YouTube e se sente interagindo. Nos stories, também, quando você faz uma enquete, por exemplo, a pessoa está interagindo com você de algum jeito.

Dentro do vídeo existem várias formas de você fazer o marketing de um produto, de um negócio ou de um serviço que você está querendo vender


Mas não precisa fazer marketing nenhum ainda, já que não tem loja, não tem patrocinador, não tem ninguém, não tem que divulgar produto nenhum. Você tem que preparar o seu terreno.

Talvez você não tenha uma loja hoje, mas é provável que surja uma ideia de construir um negócio na internet e você precise dessa base de marketing de conteúdo para vender o seu produto.

Talvez você produza um conteúdo muito bom sem vender nada e acabe despertando interesse em alguém que quer te patrocinar ou quer vender um produto dentro do seu conteúdo.

Você precisa saber qual é a melhor forma de vender o produto dessa pessoa e inserir essa venda dentro do seu produto, que é o vídeo. Então, para você que não tem empresa, mas vai receber publicidade ou está a fim de procurar patrocinador, vou te passar 3 formas de fazer o marketing de um produto ou de um serviço dentro do seu vídeo.

E se você é empreendedor e já tem uma empresa ou tem uma ideia pra vender algum produto na internet, vou te dizer como programar o marketing de conteúdo do seu vídeo, pra vender o seu próprio produto.


Primeiro, você vai conversar com a galera que está procurando patrocinador ou que já achou e precisa patrocinar o produto dessa pessoa, para que ela venda. Depois você fala com o empreendedor, que já tem um negócio e está precisando de um vídeo pra rodar o seu negócio na internet e vender mais.

Vamos conversar com o pessoal que já está com a publicidade na mão ou ainda está procurando patrocínio. Existem algumas maneiras de você anunciar o produto dentro do seu vídeo. Vou falar aqui de 3 que estão em alta no momento, que eu mais tenho visto.


A primeira delas é a PRODUCT PLACEMENT. Vou dar um exemplo do meu estúdio: eu tenho alguns livros que ficam à mostra no meu ambiente de gravação, mas sempre estou alterando a posição deles, pra não ficar um cenário muito igual.

Tenho uns gibis da Marvel, algumas coisas nerd que curto, tenho um gibi do Rick e Morty, que é um desenho que passa na Netflix, da Adult Swim, entre outras coisas. Isso não é uma propaganda porque eu não estou ganhando nada com a exposição desses produtos no meu cenário. Mas poderia ser e eu nem precisaria falar “olha, isso aqui é do Rick e Morty, isso eu ganhei da Panini”. Esse tipo de propaganda, em que você não precisa anunciar nada, mas apenas deixar o produto ser visto, chamase product placement.

Ou seja, você deixa o espaço para o anunciante, mas não fala do produto. Quem faz muito isso é o Porta dos Fundos, quando eles pegam aquele close na frente do carro para mostrar a marca Volkswagen, Hyundai, Chevrolet. A pessoa sai do carro, mas ninguém fala Volkswagen é bom, Chevrolet é bom, mas você entende que aquilo é uma propaganda, que a Chevrolet faz parte da vida de pessoas como aquelas da série. Essa é uma das maneiras de fazer marketing para os outros no seu vídeo.


A segunda forma é o famoso jabá, onde você interrompe o seu vídeo e fala o jabá que tem pra falar. Por exemplo, estou fazendo um programa sobre como fazer vídeos legais e digo “faça os vídeos assim, da forma tal...”. De repente, eu paro o programa e falo: “galera, momento do jabá: Monópole é muito bom, é um jogo muito criativo e divertido, para você jogar com toda a sua família. Compre que é muito legal”. Depois disso, eu volto a falar do vídeo que estava falando. Eu parei, interrompi, falei de um produto nada a ver e continuei no ritmo. Quem é craque em fazer isso é a televisão. Você está vendo o Luciano Huck, quer se emocionar com os quadros dele ou curtir o Agora ou Nunca e, de repente, ele para e fala: “Para tudo, vamos falar de coisa boa? Vamos falar da Tekpix, ela é muito legal ...” Cara, isso é jabá, um jabá absurdo, como diz o Jovem Nerd. Mas os jabás do Jovem Nerd são bem coerentes com o conteúdo que ele tem, mas, mesmo assim, é um jabá, que ele faz no começo da programação, ou no meio, ou no finalzinho.


Existe a terceira forma de anunciar dentro do seu vídeo, chamada inbound marketing, para dentro do seu vídeo, que nada mais é do que você fazer um anúncio sem a pessoa perceber que você fez. Vamos voltar para o mesmo exemplo que eu dei anteriormente, que eu estou ensinando a fazer videoaula e a captar o áudio da lapela para ficar perfeito. Eu levanto e falo assim: “olha, o meu gravador é o Tascam dr-05. Ele capta um som excelente, é muito bom”. Eu estou fazendo um vídeo sobre gravar conteúdo e falo para você que o meu gravador é bom. Você, automaticamente, vai pensar nesse gravador ou vai pesquisar quando estiver precisando de um.


O inbound marketing é o gatilho para puxar um papo com a galera que é empreendedora, que já tem um produto, que está pensando em vender um produto pela internet, montar um e-commerce.

Ele é muito bem-visto pelo público, porque não é tão apelativo. Você está gerando conteúdo e entregando para a pessoa e o seu produto, tem tudo a ver com esse universo.




Se você está pensando em vender o seu próprio produto, vai precisar de três pilares para ter sucesso nas suas vendas.

O primeiro pilar é o do planejamento. Você planejou os seus vídeos, agora vai planejar as suas vendas. Você vai sair do universo de planejar e dar vídeos de graça para as pessoas que te assistem para ir pro universo em que você vai vender vídeos para elas. Essa parte é muito difícil, porque você vai ter que tirar dinheiro do bolso das pessoas. Para isso, você precisa de um conteúdo bom e de uma boa oferta, então você precisa planejar.

Planejar o quê? A primeira coisa que você vai planejar são os objetivos. Qual é o seu objetivo com esse vídeo? Vender? Não existe só o objetivo de venda no marketing de conteúdo, existem vários outros, como por exemplo gerar autoridade, para aumentar a sua autoridade no mercado, aumentar o reconhecimento da sua marca, para gerar engajamento, comentários etc. Tem vídeo que é feito apenas para gerar engajamento, para a galera comentar, curtir, compartilhar.


Tem vídeos de marketing de conteúdo que são feitos para educar o mercado. Às vezes, você tem um produto que ninguém usa, mas que todo mundo poderia usar se soubesse que ele existia. Você tem que mostrar para a pessoa, educar, reconfigurar a vida dela para ela mudar o jeito de viver e começar a usar o seu produto.

Por exemplo, existe um aplicativo de bicicleta no Rio em que você baixa e ele mostra onde tem bicicleta em vários bairros da cidade para você se locomover. Esse aplicativo é pago e é do Itaú. Se o Itaú, que é o dono do aplicativo, quer fazer com que as pessoas mudem de vida, quer reeducar o mercado dele para usar as bicicletas, ele não vai fazer um vídeo falando “use o aplicativo do Itaú e você terá a bicicleta em todo lugar”.

Talvez ele faça um vídeo de uma pessoa chateada porque está no trânsito ou porque sua bike quebrou e teve que consertar, o que é chato. De repente, aparecem as bicicletas do Itaú, pessoas passeando com elas, pessoas encantadas e a pergunta: o que você está usando? Resposta: o aplicativo do Itaú.


Se essa propaganda de vídeo fosse feita, ela teria mostrado todas as dores de alguém que tem esse problema de locomoção pela cidade, mas que, por algum motivo, descobriu essa bicicletinha amarela que está todo mundo usando, que é do Itaú. Seria uma ótima maneira de educar o mercado, fazer um vídeo de reeducação, e não de autopromoção do aplicativo. Existem vídeos que são feitos e patrocinados para reeducar o mercado, outros para gerar leads, que são aquelas pessoas que têm interesse no seu produto, clicam no seu anúncio, veem o seu vídeo, mas não compram nada.


São as pessoas que estão ali dizendo “olha, estou esperando mais alguma proposta sua para ver se compro isso aí”. Existem vídeos que são feitos para capturar leads.

O que você faz? Você começa a juntar os e-mails dessas pessoas ou juntar as visualizações delas para depois fazer um remarketing no YouTube, no Facebook e no Instagram. Comece a juntar essas pessoas interessadas e, quando tiver uma boa quantidade, que são os leads, você lança o seu produto para elas. Vai sair muito caro no começo, porque você vai ter que lançar o seu produto para um monte de gente e só capturar as que tiveram interesse. Mas depois, despertando o interesse dessas pessoas, fica mais fácil redivulgar o seu produto em cima delas. Em seguida vêm os vídeos para gerar venda, falando assim: “oh, vamos comprar, já te ofereci um produto, te dei isso, aquilo, vamos comprar?” Gerar vendas também é um objetivo que você pode mirar.

Tem também um vídeo que é feito para diminuir o custo da venda. Existe o vídeo da venda, você gerou os vídeos, os interessados e fez um vídeo de venda. Aí vamos supor que você tenha gerado 10.000 leads. Desses 10 mil leads, você lançou um vídeo de vendas para esses dez mil. Desses 10 mil, cem compraram o seu produto. Com isso, você fala: “tá caro, para esses leads, eu tenho que vender pelo menos 1.000 produtos”. Isso significa que o seu vídeo de venda inicial não ficou tão bom, talvez tenha ficado muito longo, talvez muito curto, talvez você não tenha falado as palavras-chave necessárias ou não tenha acionado os gatilhos mentais das pessoas.

Aí você faz o vídeo de novo, reformula o roteiro, reformula no texto, o copy. Depois pega esse vídeo todo reformulado e joga de novo para eles, para ver se mais pessoas te compram. Obviamente, se mais pessoas comprarem esse produto, significa que você está diminuindo os seus custos com os impulsos. São vídeos feitos para diminuir os seus custos com os impulsos e vender mais, impulsionando menos.


Por último existe também as pessoas que fazem vídeo com o objetivo de lifetime, de prolongar o período de vida da pessoa com você. Se, por exemplo, você vende roupa, acabou de descobrir um cliente ou gerar um cliente através da internet, vendeu 100 reis de mercadoria e quer que a pessoa volte e compre mais, você precisa gerar esses vídeos de “olha, volte, compre mais”, para aumentar o valor que cada cliente gasta com você. Existem vídeos que são essas rechamadas para comprar de novo. Quem é fera em fazer isso é a Reserva. Você compra uma roupa na Reserva e já era. Seu Instagram lota de coisas, te mandam mensagens, te ligam perguntando se seu produto chegou bem, mandam e-mail etc.


O primeiro marketing deles é normal, mas depois ficam atraindo você pra comprar cada vez mais. Recomendo que deixem de seguir a Reserva no Instagram porque senão você compra toda hora. Estou brincando, sigam eles porque são muito bons no marketing de conteúdo e na hora de vender o seu produto. Eles são praticamente uma aula de marketing de roupa. Se você vai trabalhar no mercado de roupa ou já está trabalhando para alguém nessa área, veja o perfil da Reserva no Instagram, é ótimo, você vai aprender muita coisa.

Ainda dentro do planejamento, você tem que definir o KPIs, que são os indicadores-chave dos seus anúncios, para saber como está indo a performance dos seus anúncios

Se você quer aumentar, por exemplo, o reconhecimento da sua marca, um bom KPI para você é o número de curtidas, o número de seguidores, se está aumentando ou não.


Se você est